Crise: pesquisa aponta menor patamar de inadimplência desde início da pandemia

Dados divulgados hoje pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), retirados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), mostram que o percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso caiu de 24,8% em janeiro para 24,5% em fevereiro deste ano. Esse é o menor patamar registrado desde o início da pandemia.

O percentual de inadimplentes está em queda desde agosto de 2020, mas ainda é maior que o de fevereiro do ano passado, que foi de 24,1%.

Nota-se a inadimplência maior entre as famílias com renda de até 10 salários mínimos. Para esse grupo, o percentual caiu de 27,9% em janeiro para 27,4% em fevereiro. Já entre as famílias com renda superior a 10 salários mínimos, houve alta da inadimplência, de 11,5% em janeiro para 11,7% em fevereiro.

Em fevereiro, o endividamento chegou a 66,7% das famílias, a maior proporção desde outubro do ano passado. São consideradas endividadas as famílias que têm dívidas de:

Cheque pré-datado;

Cartões de crédito;

Carnês de lojas;

Empréstimo pessoal;

Prestações de carro e seguros.

O grupo de famílias com renda superior a 10 salários mínimos teve aumento no endividamento, que passou de 60,7% para 62,1% em fevereiro, enquanto para as famílias com renda de até 10 salários mínimos, o percentual se manteve estável em 67,9%.

Perspectiva para os próximos meses:

O levantamento também apurou o percentual de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas. Nesse caso, houve queda de 10,9%, em janeiro de 2021, para 10,5% em fevereiro.

Assim como a inadimplência, essa situação é mais comum entre as famílias mais pobres, nas quais houve queda de 12,8% para 12,4% em fevereiro. Entre as mais ricas também houve queda, de 3,9% para 3,7%.

O número de famílias que se consideram muito endividadas também caiu em fevereiro e chegou a 13,9%. O percentual é o menor desde setembro de 2019, e as famílias declararam, em média, que 30,2% de sua renda mensal está comprometida com dívidas.

 

Por: Ananda Santos
Publicado em: 08/03/2021
Fonte: Portal Contábeis